O Rodopio Desconsertado da Minha Alma

Inflama, queima minha Alma que hei de te cantar. Aqui, religando os Hermetismos e Ocultismos, reatando o horizonte nu de tudo! Aqui, Nós, América, Sul, Centro Norte Leste e Oeste. Nós da linha de frente amando os sprays de pimenta. Nós que queimamos o incenso só para que ele cheire. A roupagem tem que cair […]

Livro: O Espelho Humano por Excelência

O livro é o fogão do sonho de plantão de um país, uma Nação aquece, nutre e prepara o sentimento, a batalha O livro é o tijolo o pilar, o miolo, do castelo da mente que ri contente na selva do presente A escrita é um baile de máscaras o esconde-esconde das crianças rápidas é […]

Te Amo! Tu Metralhadora de Letras

Congregar! Unir para espalhar, a aurora, a cantiga, o luar. Prensar as emoções doces colher o suco fresco de noite Orbitar desesperadamente à paz Como se fosse o último sopro de ar. Destilar o néctar da boca, essa ninfa de voz rouca. Atiçar a viagem, o Nordeste, recolher o tesouro do Agreste. Se não formos, […]

Uma fada de luz me levou para passear

O Céu foi o Protagonista do nosso Sonho hedonista. Rasgou Respiração, Morangos, Cometas, e o tapete de Grama abrigando nossas Cabeças. Eternizou Hora, Minuto, Segundo ouvindo à Orquestra do Mundo e Nós Regentes e Músicos das Notas, dos Tons, Dilúvio. A Natureza é avessa à Beleza pouca Chove a quantidade certa para cada Boca A Terra […]

O poeta: esse transigente

O poeta enxerta caos e desconforto num mundo sacramentado pelo confortável. Combate as metralhadoras e granadas com riso e afeição. Faz sentir a beleza do perdão e do reencontro. Confere grandeza eloquente às minudências. Enfeita os tapetes vermelhos, cinzas e dourados por onde tu tens que passar. Recolhe e reconhece as pétalas da roseira porque […]

A Morte passou para dizer olá, mas acabou ficando

São Paulo, 06 de Dezembro de 2009. (Texto reencontrado no dia de hoje, 2014) Juro que não a convidei. Mesmo assim naquele dia fatídico ela meteu o pé na minha porta e entrou majestosa. Vi seu rosto fétido, já a conhecia, era a morte. Ironizando-me de soslaio foi se aproximando de mim. Cada milímetro mais […]

Oração ao Brasil

Te vejo da perspectiva estreita de um dos teus, terra violenta. Mercadoria traficada, oásis do sul os teus guetos, vielas, o céu azul Fardados cobrem ruas anti-manifestação enquanto carentes, usuários, infestação é regra encravada em seu coração. Brasil reage, vai, deixa a ladroagem a ambição; rega teus filhos sedentos não de pão, mas de necessária […]

Fuga em Dó Menor

Quem me dera eu fosse a carteira branca da escola onde debruçou-se a criança de outrora, hoje senhora, mestra das horas, foice, do tempo transcorrido, professora de antanho do sonho, dos gritos Quem me dera eu fosse nas revoluções incontidas a anti-barricada nas linhas Clamando às vozes foscas Quem me dera ser o ornamento, relicário da joia, campanário Que enfeita […]

Devaneios de Dom Juan

À Memória de Hilda Hilst. A tarde de inverno despenca. Odores de maracujás silvestres somam-se à sombra de um manacá em flor. Tudo está imerso naquela névoa de sordidez que aturde. Um bebê chora a infância enfiada na passagem do tempo. Rápidas as andorinhas anunciam a transição tênue dos tons avermelhados do sol que se põe. […]

Mulher Fenomenal, Maya Angelou

Belas mulheres se perguntam onde meu segredo se encontra. Não sou doce ou feita para me encaixar no tamanho de uma modelo Mas quando começo a dizê-las, Elas pensam que digo mentiras. Eu digo, Está no alcance dos meus braços, Na largura do meu quadril, No avanço do meu passo, Na espiral dos meus lábios. […]

Os personagens do bairro escapam pelos poros

– E se essas nuvens, mosaicos de pérolas tão dinâmicas em seu ventar, e se elas trouxerem em seus seios belos as cantigas das infâncias? – E para que? – Para nos embalar em nosso orvalhar pela relva. – E os agrotóxicos? – Levantemo-nos, rijos, hirtos! contra os obstáculos! – Para chegar onde? – Não […]

Ao Muito Antigo (Auld Lang Syne)

A uma Mestra Escoteira, Mãe e Amiga, que sabe regar a semente da bondade nos corações alheios, convocando o desabrochar da manhã da alegria. Poema de Robert Burns de 1788, baseado na versão contida em The Norton Anthology of English Literature. Optei por manter a prosódia sempre que possível. “Devem antigos conhecidos serem esquecidos, E nunca trazidos às mentes? Devem […]

O Matrimônio do Paraíso e Inferno, William Blake

Tradução baseada no The Norton Anthology of English Literature, Fourth Edition. Notas no prelo.           A mais acessível das obras longas de Blake, é um vigoroso, deliberadamente escandaloso, às vezes cômico, ataque contra os timidamente convencionais e arrogantes membros da sociedade, assim como contra muitas das opiniões no repertório da piedade e […]

Redemoinho de Letrinhas

A erupção da palavra, ou a chuva fina da inspiração transmutada milagrosamente em traços, requer condições climáticas perfeitas. Ouvir os gritinhos da pluralidade de eros, o elo perdido entre a biologia e a palavra, vozes latentes que esperam por breves momentos de explosão, ao bater de uma brisa numa tarde qualquer. A experiência traduzida num texto, fenômeno de destilação, separação […]

A metafísica de mim em ti, que desaguou no imorredouro nós, que passou como brisa

Lá no começo, um eu difuso encontrava-se num sorridente ti, Arava muito bem a terra onde devagar caía a semente de nós, Regava teu broto de meninice com a primavera, Arfava dentro da tua boca dilúvios de sabores, Desconexo, conjurava em ti todos os amores. Com o tempo, que era nosso aliado, fui saindo daquele palimpsesto ávido para […]