A uma Mestra Escoteira, Mãe e Amiga, que sabe regar a semente da bondade nos corações alheios, convocando o desabrochar da manhã da alegria.

Poema de Robert Burns de 1788, baseado na versão contida em The Norton Anthology of English Literature.

Optei por manter a prosódia sempre que possível.

“Devem antigos conhecidos serem esquecidos,

E nunca trazidos às mentes?

Devem antigos conhecidos serem esquecidos,

E os dias há muito dormentes?

Pelo passado, caridade,

Pelos velhos tempos,

Tomemos um copo de bondade,

Pelos gastos tempos.

Nós dois corremos pelas ladeiras.

E colhemos as delicadas margaridas,

Mas vagamos com pés deveras

desgastados, desde os antigos dias.

Nós remamos entre os riachos,

do sol nascente até o meio-dia;

Mas os mares entre nós vastos

rugiram, desde os caducos dias.

Aqui há uma mão, meu confiável amigo,

Dá-me a tua também;

E nós tomaremos um drinque de boa-vontade,

Pelos antigos bens.

E certamente você terá uma caneca,

e seguramente eu a minha;

e tomaremos um copo de gentileza,

Pela emoção há muito antiga.”

Publicado por rafaelsc

"Ensinar não é encher um balde, é acender um fogo" Yeats "Creio porque é absurdo" Tertuliano "Seja uma luz para si próprio" Buda “Sentando-se quieto, sem fazer nada, a primavera vem e a grama cresce, por si só." Matsuo Bashō "O silêncio e a risada são a chave – silêncio dentro, risada fora" Osho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s