A poesia é (I) não-mimética ou (II) mimética.

(I) A poesia não-mimética divide-se em (A) histórica, (B) instrutiva. (B) A poesia instrutiva é dividida em (1) didática, (2) teorética.

          (II) A poesia mimética divide-se em (A) narrativa, (B) dramática e [diretamente] apresentando a ação. (B) A poesia dramática, ou que apresenta [diretamente] a ação, divide-se em (1) comédia; (2) tragédia, (3) pantomima, (4) sátira-dramática.

          A tragédia remove às emoções temerosas da alma através da compaixão e do terror. E [ele diz] que seu objetivo é o de produzir a devida proporção de medo. Há angústia por sua mãe.

          A comédia é uma imitação da ação que é ridícula e imperfeita, de suficiente duração, [em linguagem ornamentada,] os vários tipos [de seres ornamentados] [encontrados] separados nas [várias] partes [da peça]; [diretamente apresentados] por pessoas agindo, e não [dadas] através da narrativa; através do prazer e do riso efetua à purgação das emoções similares. Sorri para sua mãe.

          O riso surge (I) da dicção [= expressão] (II) das coisas [= conteúdo].

                    (I) Da dicção, através do uso de –

                               (A) Homônimos

                               (B) Sinônimos

                               (C) Loquacidade

                               (D) Parônimos, formados por

                                               (?1) adição e

                                               (?2) recorte

                               (E) Diminutivos

                               (F) Perversão

                                               (1) pela voz

                                               (2) por outros meios similares

                               (G) Gramática e sintaxe

                (II) O riso é causado pelas coisas –

                               (A) Pela assimilação, empregada

                                               (1) para o pior

                                               (2) para o melhor

                               (B) Pelo engano

                               (C) Pelo impossível

                               (D) Pelo possível e inconsequente

                               (E) Pelo inesperado

                               (F) Pela degradação dos personagens

                               (G) Pelo uso da dança cômica [pantomímica]

                               (H) Quando alguém entre aqueles que têm o poder, negligenciando às coisas maiores, ocupa-se das mais ínfimas

                               (I) Quando a história é desconexa, e não tem sequência

                A comédia difere do insulto, pois o insulto abertamente censura às más qualidades pertencentes [aos homens], ao passo que a comédia requer a chamada ênfase [? Ou ‘insinuação’ {NT: innuendo}].

                O palhaço jogará com as faltas da alma e do corpo.

                Como nas tragédias deve haver uma proporção adequada de medo, também nas comédias deve haver uma adequada proporção de risos.

                A substância da comédia consiste em (I) enredo, (2) ethos, (3) dianoia, (4) dicção, (5) melodia, (6) espetáculo.

                O enredo cômico é a estrutura que conecta os incidentes cômicos.

                Os personagens [ethe] da comédia são (I) os bufões, (2) os irônicos, e (3) aqueles dos impostores.

              As partes da dianoia são duas: (A) opinião e (B) prova. [Provas (ou ‘persuasões’) são de] cinco [tipos]: (1) juramentos, (2) pactos, (3) testemunhos, (4) torturas [‘testes’ ou ‘suplícios’], (5) leis.

                A dicção da comédia é a linguagem comum, popular. A poeta cômico deve dotar seus personagens com seu próprio idioma nativo, mas deve dotar um estranho com um idioma estranho.

                A melodia é província da arte da música, e assim é preciso tomar suas regras fundamentais desta arte.

                O espetáculo é de grande vantagem para os dramas ao suprir o que está em acordo com eles.

                Enredo, dicção e melodia são encontrados em todas as comédias, dianoia, ethos, e espetáculo em poucas.

                As partes [quantitativas] da comédia são quatro: (I) prólogo, (2) a parte do coral, (3) episódio, (4) êxodo. O prólogo é aquela porção da comédia que se estende até a entrada do coro. A parte do coral [choricon] é uma música pelo coro quando esta [a música] é de duração adequada. Um episódio é o que se encontra entre duas músicas corais. O êxodo é a expressão do coro no final.

                Os tipos de comédia são: (I) Antiga, com uma superabundância do risível; (2) Nova, que desconsidera o riso, e tende para a seriedade; (3) Média, que é uma mistura das duas.

Publicado por rafaelxa

Simply meditate, dance, read, sing, stay quiet, waiting. Do a ritual in each opportunity. Connect yourself with the source. It's not difficult. Be really happy. You could dodge the ignorance. You could grasp wisdom in any book, tree or face. It's up to you. Be aware, be awake!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s