Questão 1.

(a) Como proposta por Platão, a definição “tripartida” confere caráter de conhecimento a opiniões verdadeiras justificadas. Sobre o excerto de São Hipólito de Roma expondo o pensamento de Xenófanes de Colofão defendemos duas interpretações: (I) se a primeira frase do excerto for lida como uma pretensão do autor em tecer uma cosmogonia, ou seja, como um entendimento de Xenófanes que tudo o que existe foi formado pelo “ciclo” que a terra forma ao se misturar com o mar e depois se livrar da umidade, então, sabemos que a tese é falsa, e justificamos isso com os argumentos das hodiernas física, biologia e química. De acordo com essa interpretação, Xenófanes de Colofão não produziu conhecimento pois este têm uma opinião justificada pelos fatos empíricos, porém não verdadeira. (II) se lermos a primeira frase do excerto sem caráter cosmogônico e pensarmos em um fato empírico do tipo: uma praia que, durante a noite, com maré alta, molha uma ampla faixa de terra que, em maré baixa livrar-se-á da umidade, então podemos certificar Xenófanes como produtor de conhecimento, pois sua crença é verdadeira e justificada.

(b) De acordo com o arco do conhecimento, da denominação de David Oldroyd, Xenófanes partiu das observações específicas e chegou a uma explicação geral, o que caracteriza o estágio resolutivo ou intuitivo do conhecimento. O outro braço do arco do conhecimento compõe a etapa compositiva ou dedutiva do conhecimento, que parte das definições mais universais e simples para as mais específicas.

(c) No texto em questão, Xenófanes faz uma indução enumerativa, pois vários dados empíricos são coletados e por uma generalização chega-se a um conceito geral de como tudo o que existe é formado. (tomamos aqui a primeira, das duas interpretações do item (a), pois o professor comentou em sala que Xenófanes realmente teceu uma cosmogonia).

O termo abdução remete a um “insight” que parece relacionar as propriedades de causa-efeito de dois objetos. Ou seja, não é preciso encontrar um padrão em diversos objetos para se formar um conhecimento, pode-se, antes disso, analisar atentamente dois objetos e “intuir” algo sobre a relação entre eles.

Questão 2.

(a) A astronomia, como mostrado na primeira parte do texto de Geminus de Rodes, está contida na física. A astronomia está inteiramente voltada para a observação e quantificação do cosmos, não preocupada com sua essência, qualidade, força, etc. O que parece traçar a diferença entre físicos e astrônomos é o papel da observação: enquanto um físico pode observar seu ambiente para provar ou desqualificar uma teoria, o astrônomo primeiramente deve observar para somente em um segundo momento analisar as teorias do acervo cultural da época. As teorias científicas terão enfoques diferentes para os físicos e os astrônomos: os últimos buscarão as “melhores” teorias, as que tornam seus cálculos mais exatos. Para o físico, o caráter, digamos, “pragmático” de uma teoria científica é posto em segundo plano.

(b) Andreas Osiander faz o papel de um típico astrônomo tal qual fora definido no texto de Geminus de Rodes. A teoria, insiste Osiander, deve fornecer os “cálculos que concordem com as observações” e para isso não é necessário que essa seja verdadeira. Esta atitude seria desqualificada pelo físico do texto de Geminus de Rodes, que procura as essências e qualidades intrínsecas do ser. Interessante que o que é ainda uma tensão no texto de Rodes é elevado ao limite no final do texto de Osiander: a Astronomia não busca fornecer hipóteses, teorias, de qualquer tipo. Fica implícito que este é o papel das outras ciências, principalmente da física.

(c) A estrutura do silogismo, com seu termo maior, termo menor e médio, além dos quatro requisitos extra-lógicos se satisfeitos, formam o que Aristóteles entendia por explicação científica. Com certeza, o rigor expositivo do silogismo pôde e foi usado tanto pelos físicos como pelos astrônomos.

(d) Os motivos são multivocais: (I) empecilhos teóricos, como o paradigma aristotélico, que supunha a Terra no centro do universo. Na esteira da teoria aristotélica seria difícil compreender um simples movimento de uma pedra lançada verticalmente para cima que voltasse para o mesmo lugar, supondo o movimento da Terra. (Muitas vezes, o enclausuramento da comunidade científica da época ao paradigma herdado entrava o desenvolvimento científico.) (II) empecilhos técnicos, pela falta de instrumentos adequados a paralaxe estelar não podia ser detectada e isso dava força para o falseamento da teoria geocinética

(e)        Se a terra gira em torno do Sol, então há paralaxe.

Não há paralaxe.

A terra não gira em torno do Sol.

Questão 3.

(a)    A dietética prometia a cura através dos alimentos. Na Grécia, houve uma cisão interna que a dividiu em profissionais que defendiam um método mais empírico, natural e outros que buscavam pelo raciocínio “o conhecimento da natureza” que levaria à medicina ideal.

A farmacêutica buscava a cura através dos medicamentos. Os profissionais buscavam entender as causas das doenças, e só assim podiam aplicar o tratamento de maneira eficaz. Dependendo do excesso ou deficiência no corpo dos quatro elementos a maneira de tratar seria diferente.

(b)   Eu adotaria a dietética, pois acredito que se o corpo é nutrido com bons alimentos as doenças serão prevenidas, diminuindo o trabalho dos profissionais farmacêuticos e cirurgiões.

(c)    As três práticas médicas gregas estão consolidadas em domínios delimitados na medicina hodierna. A dietética gerou a nossa nutrição, a engenharia de alimentos e até o crescente mercado dos polêmicos transgênicos.

A farmacêutica tem importância central no funcionamento do mundo contemporâneo. Garantiu o afloramento da engenharia genética, da química molecular, do projeto genoma. Ainda pode nos dar a cura da AIDS e do câncer.

A cirurgia tornou-se uma prática quase sempre segura, eficaz. Em caso de câncer, por exemplo, pode ser considerada uma verdadeira medicação.

O que fica claro, porém, é a ambivalência da nossa medicina: de um lado garante melhor qualidade de vida e até uma sobrevida a milhões de pessoas, de outro, elitiza seus medicamentos e práticas, garantindo o acesso apenas a camarilhas sociais abastadas.

Publicado por rafaelxa

Simply meditate, dance, read, sing, stay quiet, waiting. Do a ritual in each opportunity. Connect yourself with the source. It's not difficult. Be really happy. You could dodge the ignorance. You could grasp wisdom in any book, tree or face. It's up to you. Be aware, be awake!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s