Seminário II

Questão I – Cassirer argumenta que na magia do Renascimento encontra-se uma relação de finalidade interior e geral. O Universo é pensado como organismo vivo dotado de membros específicos que tornam o todo cognoscível. Cada ente particular é um signo e uma representação em contato direto com o todo universal, há uma alma do mundo doadora de inteligibilidade a este. Nesse contexto, a palavra é fonte de ação natural que transcende as coisas e as governam. O lógos carrega dentro de si a semente de tudo, assim como qualquer outro ponto do todo tomado como referência. Tomamos essa frase de Agrippa:

“Se desejas atrair a virtude de uma parte do universo ou de alguma estrela, deves aplicar tudo o que está relacionado com essa estrela”

Na conceito de relação podemos entrever o poder do signo. A significação não é constituída sem pedra de toque ontológica. Ela é intrínseca às coisas. Significando já remete para a natureza física de algo.

O conceito de natureza tacitamente considerado aqui considera a causalidade como fundamental. Uma ação num ponto expande-se ao todo. Considerada como organismo, na natureza é introjetada pela primeira vez a imanência e a autarquia das leis naturais.

Questão II – A) Pico della Mirandola concebe o homem como o centro da criação do mundo, ministro e intérprete da natureza, mais ainda, distinguindo-se de todos os animais, o homem delibera sobre qual será seu lugar no kósmos. Alguém poderá rastejar por terra ou fazer filosofia, o que o dignificará com o reto uso da razão e a morada celeste. Dotar o homem de potencialmente conter todas as sementes do universo talvez seja o limite máximo do humanismo. A crítica se extrema, no contexto da época, contra a astrologia, que imputava aos astros a determinação da vida humana.

B) Cassirer aponta que o conceito de evolução, no contexto do Renascimento, representa a união entre a história da natureza e a do espírito. Ou seja, evolução remete a protohistória das ainda não distinguidas Naturwissenschaft e Geistwissenschaft. Herdado da teoria neoplatônica, evolução entrelaça a idéia e o fenômeno. Há uma linha de continuidade entre o mundo das formas puras e a existência material das coisas pois postula-se uma mútua condicionalidade entre todas as partes do universo. Daí decorre um universo pensado dinamicamente como vivo, como tendo uma alma universal. Nesse organismo, é sem sentido pensar consciência e coisas como separáveis. A consciência não é deriva das coisas, ao contrário, faz parte delas desde o primeiro momento. No texto de Pico della Mirandola, Discurso sobre a Dignidade do Homem,  esta ideia aparece sub-reptícia em diversos momentos. A concórdia entre todos os sistemas filosóficos intuída por Pico, por exemplo, atesta um universo concebido com membros distintos que, porém, respondem ao mesmo complexo superior de vida.  Se o ser do universo é uno, qualquer positividade é manifestação deste ser, qualquer sistema filosófico autêntico atinge a verdade, como desvelamento do Ser da natureza.

Seminário III

I)                    Uma teoria psicológica do conhecimento desloca a dependência direta outrora vigente na relação homem/natureza para uma correspondência harmônica entre esse binômio. Com isso inverte a clássica intuição que o macrocosmos determina o microcosmos. O microcosmos encarnado no homem pode se substancializar, e mais decisivo, se contrapor a natureza. Na experiência sensível o homem “ouve” as leis da natureza. Essas leis mostram seu funcionamento pleno no experimento científico preparado minuciosamente pelo homem.

II)                  A questão principal que guia a psicologia de Fracastoro é: Como que da grande massa de conteúdos sensíveis concretos que ocupam nosso eu pode surgir, destacar-se e cobrar própria substancialidade de ideia do geral, o conceito universal? Ou seja, procura-se demonstrar o nascimento do geral partindo do particular.

Fracastoro propõe conceitos de duas ordens: primárias, que versam diretamente sobre os objetos exteriores. E secundárias, as quais exprimem simplesmente os nossos predicados acerca dos objetos, ou seja, vemos aqui o entendimento voltando-se sobre si mesmo engendrando assim um lugar próprio à subjetividade.

III)                Telesio, deslocando a questão de Fracastoro para o âmbito da biologia, busca capturar a vida do todo que existe igual e simultaneamente em cada parte deste todo, porém de um ponto de vista individual. Nesse exercício de analisar qual seria a individualidade alheia é perdida a pedra de toque da própria individualidade que efetua a análise.  Nesse sentido, ao conhecer, ou seja, o indivíduo, ao pensar outras formas de alteridade, padece. Padece pois vive apenas de alteridade, renunciando a sua autenticidade inerente.

Seminário V

1)

Mariconda situa o leitor no âmbito das discussões que Galileu enfrentava com os jesuítas, importantes personagens contra-reformistas que rapidamente espalharam seus colégios por toda Europa. Desse debate, inevitavelmente coube, por parte de Galileu a defesa da autonomia da ciência, principalmente perante a religião. Em 1613 numa carta a um colaborador, Padre Benedetto Castelli, Galileu expõe visão de compatibilidade entre a astronomia e a cosmologia copernicanas com as Sagradas Escrituras. É premente a necessidade de manter a nascente ciência natural fora das questões acerca dos dogmas religiosos. Tal busca, empreendida por Galileu, parece circunscrever, na época, a adesão ao sistema copernicano, que vai diretamente contra o universo aristotélico-tomista tradicional. Com o rechaço do universo aristotélico até mesmo a hierarquia dos conhecimentos é atacada em sua base. Esta desorganização dos saberes, que a busca de autonomia da ciência natural impõe, foi considerado heresia, na época.

Talvez o principal saber abalado pelas novas descobertas de Copérnico é aquela que aponta a posição central assumida pelo homem. Nesse sentido, a concepção geocêntrica está em relação direta com o antropocentrismo. A tese tradicional que vem de Aristóteles e Ptolomeu se apoia na percepção sensível do mundo, pois ao homem na Terra não é dado conhecer o movimento real do planeta por simples observação. Para abalar tal concepção é necessário um desenraizamento da certeza imediata do mundo sensível. A doutrina heliocêntrica é violenta e revolucionária pois ataca as pretensões há muito tempo engendradas de que o homem ocupa o centro do mundo e que toda a criação seria para o homem.

Ora, o heliocentrismo, ao propor o movimento da Terra relega a aparência o que a sensibilidade retém de imediato, ou seja, que não há movimento algum na Terra. Se uma pseudo-verdade como esta é desbancada pelo heliocentrismo ao mesmo tempo aponta-se para o falibilismo da sensibilidade. Se num determinado momento, elevando estas teses ao limite, suspende-se a verdade de toda a sensibilidade, o que resta? Sem dúvida, um ser que suspende as verdades sensíveis. O sujeito. A radicalidade das novas teses são importantes até para o uso ostensivo da subjetividade como um local com autonomia perante o mundo exterior.

2)

Galileu buscava quantificar o mundo que até então era qualificado pelas categorias Aristotélicas. Para isso Galileu estabelece uma distinção entre “qualidades secundárias”: cores, odores, sabores, sons, que podem ser eliminados pois não participam do conceito de corpo físico, de “qualidades primárias”: forma, figura, número, contato e movimento. Estes necessários, pois participam do conceito de corpo físico. Galileu parece entender que estes últimos atributos são passíveis de quantificação, enquanto os de “qualidade secundária” não o são. Claro que hoje podemos pensar certa quantificação dos de “qualidade secundária”, por exemplo, um decibelímetro que quantifica o som em um determinado local. O que é importante é vermos um processo de matematização do mundo, empreendido por Galileu, que fixa os elementos primários como chaves ontológicas para a mecanização da natureza e do mundo. O espaço geométrico homogêneo vai, de alguma forma, “enxugar” o mundo qualitativo aristotélico. Isto significa atribuir à matemática papel central de relevância na nova ciência. Compreender o mundo é estabilizá-lo numa base matemática que vai garantir a dominação da natureza de uma forma surpreendente.

Publicado por rafaelxa

Simply meditate, dance, read, sing, stay quiet, waiting. Do a ritual in each opportunity. Connect yourself with the source. It's not difficult. Be really happy. You could dodge the ignorance. You could grasp wisdom in any book, tree or face. It's up to you. Be aware, be awake!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s