Ode Amarelada

Paredes vivas, que não cercavam meus sonhos! Não as avisei? Escola fervilhante de tias-avós namoradeiras de outrora. Estás no chão! Ao chão caístes sem querer. Duas árvores raras cheirosas com flores amarelo-verdinhas de minha infância espinhosa. Onde estão? O leite colo de mãe da vó servido na temperatura certa. Onde estás? Soçobraram. Convosco, contigo, soçobro. […]