I don´t want to say this in English ou O Ocaso dos Tizius.

Pensar em outra língua,

obnoxious invasion

of my lake, my ocean.

I don´t want to say this in Português

Irmãos na Língua: congregai!

knowledge and capacity

to build the wall of justice

I don´t want to say isso em Português

Deixa o fardo triste, levanta!

There is a world, we wanna

engraft peace in everyone

like a beach in the summer

Eu não quero say this in English

Portuguese´s the father

English´s the mother

Addicted mother´s love

There is nothing estranho about this!

Eu não quero falar isso em English!

Yeah! Ok. Maybe I could dominate my inner thoughts,

but let me free quando eu mergulhar no convívio,

nas bizarras alteridades, nos outros, que não me fazem

sentido quase algum.

I don´t want! Não! Me deixe!

Eu não quero!

But I can.

Perhaps my country could come with me

English as an official language?

Por que não?

Vai ficar preso num discurso ressentido?

Não conseguimos?

É um acrescento!

Razão lusa de brilho ofuscante, afugente o eclipse que insiste!

Forjar o Quinto Império Português, Brasil?

Isso é um call to action.

We could be feared

not because of our army

but because of our arms

our brains!!

Nós temos um cérebro!

Por mais absurdo que isso soe, nós temos cérebro!

          Deixando isso de lado, permita-me contar-te a história de Basalto:

          Havia um menino no interior do Brasil que sempre amou pássaros, desde sua primeira lembrança de infância. Todos o conheciam pelo apelido carinhoso de Basalto. Vivia todos os dias olhando para cima, para o alto, para contemplar as cores, o porte, e, principalmente, buscava distinguir com perfeição o canto de cada pássaro da sua região. Pardais, Rolinhas, Sanhaços, Sabiás, Gaviões, Asas-Brancas, Canários, Bicudos, Curiós, Carcarás, Bicos-de-Lacre, Beija-Flores. Mas seu fascínio maior, eu bem lembro, era com os Tizius. Talvez por darem aquele pulo característico, todas as vezes que cantavam seus cantos de saudades estridentes.

          Um dia, observando um tiziu a cantar e a saltitar, Basalto pôde sentir uma gramática por detrás daquele canto singular, pôde intuir um vocabulário e regras fonéticas. Conforme os dias sucediam-se, o menino atento foi desvendando às unidades semânticas em repetição, acompanhando diálogos e palestras dos Tizius em assembleia. Então, depois de alguns anos, pôde concluir um magnífico dicionário do idioma dos Tizius, que chamou de Tizilez.

          Todos os dias participava da revoada dos Tizius, assoviando verbos e adjetivos, concordâncias e apostos. Sentia-se pleno ao expressar-se numa língua que considerava da própria Natureza. Nunca me esquecerei da minha curiosidade em perguntar-lhe o que diziam aqueles agitados tizius.

          Hoje, mais de duas décadas passaram-se desde a publicação do Dicionário de Tizilez. Basalto, sobrevivente rochoso dos avalanches da vida, anda triste. Não há mais tizius em seus arredores, aquela grande civilização alada passou no tempo, assim como os Maias e os Incas também passaram.

          Todo dia, sozinho, Basalto canta alto no topo das montanhas, esperando por um dueto que, infelizmente, não ocorrerá. Eu o vejo da minha janela pequena, eu vejo alguém enjaulado dentro de si.

Anúncios

Replique

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close