Breve análise de “Sonho de uma Noite de Verão”

Sonho de uma Noite de Verão apresenta um dos mais claros exemplos de padrão triplo característico de Shakespeare: de (I) um mundo de aparente realidade e ordem, com sementes de desordem, para (II) um lugar médio, um mundo interior de transformação, no qual as coisas se tornam evidentemente muito mais desordenadas (personagens usam fantasias, máscaras ou disfarce, ou adquirem cabeças de asnos; eles representam papéis estranhos, mais altos ou baixos na escala social, e são livres através da ficção), e então fora novamente (3) ao mundo externo, o mundo da chamada realidade – apesar de ainda em palco – armado com novo conhecimento, e melhor preparado para readentrar o mundo atual da ação social. Esse tipo de padrão básico triplo está consistentemente presente nas peças de Shakespeare, não importando o seu gênero; não é somente um modo cômico, mas antes representa como fundamental a estrutura dentro/fora da dramaturgia assim como do tema e cenário.” Marjorie Garber, Shakespeare After All, pg. 217. Tradução nossa.

Relação entre um nonsense, metáfora viva e metáfora morta? Círculo Hermenêutico? Ampliação do limite do mental da literatura? Não me venham com imbróglios. Apenas Shakespeare.

Anúncios

Replique

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close