I

          (Em linhas gerais, a parte do texto que me coube (ou seja,os capítulos II, III, IV do texto), a autora, Iris Marion Young buscará defender a seguinte tese: a representação política não implica numa menor participação popular. Vou passar analisando os pontos que julguei fundamentais, em cada um dos capítulos) (Tomei a liberdade de, ao longo do texto, tratar a autora de Young)

          Passando a análise do capítulo “Participação e Representação”, inicialmente Young comenta que muitas vezes os democratas radicais acusam a democracia representativa por quase sempre implicar em uma pouca participação real dos agentes sociais, e, além disso, dificultar a regulação interna da justiça. (Podemos afirmar que esses democratas se encontram na esteira de Rousseau que defende (entre os coisas) que: Cito, “a soberania não pode ser representada”, fim de citação)

          Young reconhece que algumas instâncias de democracias diretas devem existir na democracia representativa. O plebiscito seria um exemplo. Outros procedimentos do tipo garantem uma maior participação pública. Aqui no Brasil podemos lembrar o programa do PT, vigente em algumas cidades, de Orçamento Participativo, que instaura unidades de deliberação conjunta em bairros. (Parecido com as micro-políticas americanas) .Young procura argumentar que é possível uma intensa participação pública mesmo no atual nível de complexidade de nossas democracias.

          A seguir Young pontua a questão da co-presença (analisada no próximo capítulo) e chega na mesma conclusão que a Nancy Fraser chegou nos últimos seminários): é impossível todos participarem de todas as deliberações. Além disso, Young argumenta (para aqueles que escolhem a polis grega como o modelo de democracia) que talvez até mesmo em pequenos grupos de centenas de pessoas a representação naturalmente ocorra.

          Talvez a principal critica à representação, aponta Young, é que após a eleição dos representantes, os representados não sejam mais necessários. Surgirá aqui a ideia que a autora retomará em vários pontos do texto: que para ser eficiente, a democracia representativa deve manter os interesses dos representados afinados com as deliberações do representante.

II

          Passando ao capítulo Representação como relacionamento, parece claro a autora que o antigo ideal democrático de co-presença de todos os concernidos a uma deliberação é um disparate no atual estado das democracias. Essa visão, além de exigir que os cidadãos se encontrem em um mesmo local, parece exigir a identidade dos representantes e representados, ou seja, toma como ideal que aqueles sejam idênticos a estes. (representantes devem ser idênticos aos representados). Os críticos da representação argumentam que é impossível uma confluência dos interesses de cada um dos representados nas deliberações do representante, o que limita a liberdade individual.

          Young tentará conceituar a representação de maneira a fugir dos problemas que a necessidade de co-presença e de identidade trazem. Em Derrida, buscará o conceito de differánce (mais uma assimilação de um termo de Derrida pelas teóricas feministas, e mais um que sofreu, (entre aspas) “torção teórica”) (Mas não entrarei nos pormenores) e tudo isso para afirmar que há, e isso é fundamental para manter a pluralidade do cenário democrático, separação entre representante e representado. Com isso, o representante fica habilitado a falar por seus representados, porém não há o vinculo identitário que o obriga a falar como os seus representantes falariam. O que Young reforça aqui é que há diferenciações amplas no grupo dos representados, não há uma postura uníssona dos eleitores que o governante possa captar (por perspicácia). Ressalta ainda que deve ser mantida viva a conexão do representante com os representados e estes entre si, por mais plurais que sejam.

III

          No Capítulo “Antecipação, autorização e prestação de contas” Young discutirá as diversas significações do termo representação. Buscará uma posição que una, na figura do representante, tanto o delegado, aquele que é responsável pelos interesses de um determinado grupo, quanto o de fiduciário, aquele que é autorizado a deliberar livremente após ser eleito por um grupo. A autora, com isso, busca uma noção normativa de representação.

          Para Young, é importante que a representação deva ser conceitualizada como uma prática temporal. Com isso, ela mantém-se fiel ao comportamento crítico. A representação é um processo imerso no tempo, entre os eleitores e os governantes, dos eleitores consigo mesmos e dos governantes entre si. A liberdade de ação nas mãos do governante deve ser, sempre “vigiada” pela responsabilidade deste ao grupo que o elegeu.

          Young vê então, o rompimento da relação entre representante e representados como danoso à democracia. As relações entre eles, devem estar afinadas comunicativamente ao longo do tempo. Nas palavras da autora: “A representação eficaz fica entre uma coisa e outra e incorpora ambas” , ou seja, como já dito, o representante têm liberdade de ação própria (é fiduciário), porém regulado pelos interesses dos seus eleitores.(é delegado)

          Seria interessante que os vestígios (e esse termo é uma segunda assimilação de Derrida no mesmo texto!) (p. 148) do diálogo que autorizou o governante fossem mantidos, pois a base votante pode continuamente engajar-se nos debates que levarão a uma próxima autorização. O que nãop impede que, quando chamado a prestar contas ao seus eleitores, o representante possa persuadi-los que suas avaliações são as melhores.

          Como método de convocar os governantes a prestar contas a reeleição é eficiente mas algumas democracias necessitam de outros desses métodos. A prestação de contas deve ser divulgada em meios oficias do estado e em discussões independentes. É importante para a saúde de nossas democracias que as discussões realmente ocorram entre os cidadãos entre si e entre eles e os governantes. Meios alternativos de prestação de contas podem ser criados pelos próprios órgãos oficiais, sempre assistidos pela avaliação pública.

          Finalmente, Young indica que o principal problema da representação (é que ocorra desconexão (termo usado no texto) entre ambos, representante e representados. Se houver desconexão naturalmente ocorre uma diminuição da participação social, gerando desarticulação interna na constituição das novas políticas. Os representantes devem, a todo o momento, ouvir as demandas públicas e deliberar, sempre renovando a prática da prestação de contas a seus eleitores. Se isso ocorrer, a democracia representativa não implicará em uma falta de participação, ao contrário, a boa democracia representativa demanda um aumento contínuo dos fóruns de participação comunicativa, da participação popular na política.

Publicado por rafaelxa

Simply meditate, dance, read, sing, stay quiet, waiting. Do a ritual in each opportunity. Connect yourself with the source. It's not difficult. Be really happy. You could dodge the ignorance. You could grasp wisdom in any book, tree or face. It's up to you. Be aware, be awake!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s